Numerologia II

Numerologia II

Numerologia II

 

Fez também cortinas de pêlos de cabras para a tenda sobre o tabernáculo: de onze cortinas as fez'' (Êx 36.14).

 

Onze - Se dez é a perfeição na ordem divina, onze é um acréscimo a isto. Então é subversivo, desfaz a ordem. Se doze é a perfeição no governo divino, o onze diminui ou estraga. Assim 10+1 ou 12-1 é um número que traduz desordem, desorganização, desintegração.

Os príncipes de Edom eram doze (Gn 36.40-43). Edom é o nome de Esaú. Este povo se alegrou com a destruição de Israel, ajudou a entregar os restantes na tomada de Jerusalém, cooperando com os babilônios. Por isso Deus os amaldiçoou, predizendo sua destruição (SI 137.7; Amos 1.11 e 12; Ob vv 1-14)

Edom, Seir, Tema e Duma são palavras que expressam os descendentes de Esaú (Gn 36.1-43; Is 21.11,12). Os judeus dão ao número lia significação de: incenso, música e a restauração do reino de Israel.

Dizem os judeus que o incenso queimado para Deus era composto de 11 especiarias. (M.M. Melamed, A Lei de Moisés.)

 

A música e o 11

A música escrita, a princípio, era feito numa pauta de 11 linhas. Como era difícil ler depressa, foi tirada a linha do meio e ficou como hoje, em dois grupos de cinco linhas .

Na escala musical o número de vibrações de cada nota por segundo é múltiplo de 11. O ouvido sozinho não percebe estes detalhes, mas por meio de instrumentos apropriados, consegue-se provar isto.

 

O 11 na restauração de Israel

O banquete que José deu a seus irmãos (Gn 43.33) é tipo do reino glorioso de Israel. Ali José reconheceu os 11 irmãos e colocou-os em ordem por idade. Na restauração, o Messias reco­nhecerá cada tribo e estabelecerá o seu reino, que será a harmonia dos planos de Deus. Há também um sentido especial do número 11 na palavra de Deus como ilustração de nossa união com Ele.

No tabernáculo, a parte de cima da cobertura era de 11 cortinas de pêlos de cabras (Êx 26.7; 36.14).

Os judeus conheciam os 10 mandamentos, mas Jesus disse: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros" (Jo 13.34a). Este tem sido chamado o 1 lº mandamento.

Ezequiel teve uma visão dum templo que tinha de largura 11 côvados (Êz 40.49a). Esta visão se refere ao futuro de Israel. 11 representa o amor fraternal que resume toda a lei, porque o 11a mandamento é o mandamento do amor. "...De sorte que o cumpri­mento da lei é o amor" (Rm 13.10b).

 

Doze - Número do povo de Deus. Administração e governo de Deus. No mundo natural: os 12 meses do ano, as 12horasdodia, os 12 signos do zodíaco.

Na organização religiosa: as 12 tribos de Israel (o povo de Deus no Velho Testamento); os 12 apóstolos (o povo de Deus no Novo Testamento).

Pode ser lembrado como 3x4. O número de Deus multipli­cado pelo número do mundo. A abundância das bênçãos de Deus sobre seu povo.

São muitas as referências a 12 nas Escrituras: 12pedras no peito do sacerdote, representando as 12 tribos de Israel (Ex 28.21); 12 pães da proposição (Lv 24.5); 12 recipientes de ouro (Nm 7.86); 12 espias enviados a Canaã (Nm 13.4-15); 12 fontes em Elim (Nm 33.9); 12 pedras tiradas do Jordão (Js 4.3). Duas colunas de 12 côvados cada uma no templo (1 Rs 7.15); 12 bois no mar de cobre (1 Rs 7.25); a primeira lareira do altar no templo da visão de Ezequiel tinha 12 côvados de comprimento e 12 côvados de largura (Ez43.16).

Os livros do Antigo Testamento formam grupos de 5 e 12.

São 5 livros da lei, 12 históricos, 5 poéticos e 12 profetas menores. Os profetas maiores são 4, porém no meio deles está Lamentações, de modo que o grupo de livros também é de 5; 5 é a graça de Deus, ou a oportunidade; 12 é o povo de Deus. O Velho Testamento expressa a graça de Deus (pelo número 5) dirigida a seu povo (número 12). Esta é a oportunidade de gozar deste privilégio.

Quando Jesus multiplicou os pães, todos comeram e ainda sobraram 12 cestos de pedaços (Mt 14.20).

Na regeneração, Jesus Cristo estará no seu trono e os apóstolos se sentarão sobre 12 tronos para julgar as 12 tribos de Israel (Mt 19.28).

Se Jesus pedisse ao Pai, Ele daria 12 legiões de anjos (Mt 26.53).

Em Apocalipse, a nova Jerusalém tinha um muro com 12 portas e nas portas 12 anjos e os nomes das 12 tribos de Israel. O muro tinha também 12 fundamentos com os nomes dos 12 apóstolos. As 12 portas eram 12 pérolas. A cidade foi medida até 12 mil estádios (Ap 21.10-21).

A árvore da vida produz 12 frutos de acordo com os 12 meses (Ap22.2).

Treze - Há muita superstição acerca deste número atribu­indo-lhe agouro ou prejuízo. A explicação popular é de que treze tomou este sentido por causa de Judas Iscariotes. No grupo de Jesus com os apóstolos, Judas vem sempre em último lugar na lista, por isso tem o ne 13, que lembra seu fim com traição e suicídio. Mas o 13 é muito mais antigo na Bíblia do que a história de Judas.

Sua primeira referência está em Gênesis 14.4, onde se lê: "Doze anos haviam servido a Quedorlaomer, mas ao décimo terceiro ano rebelaram-se". Daí em diante o 13 e seus múltiplos trazem a idéia de rebelião, apostasia e corrupção.

A segunda menção de 13 é a cerca de Ismael (Gn 17.25); tinha ele 13 anos de idade quando foi circuncidado e admitido no pacto, o que ele não aceitou de coração. Terminou em rebelião, rejeição. O primeiro versículo da Bíblia que conta a obra de Deus na criação tem em hebraico 7 palavras e 28 letras (4x7). O segundo versículo (Gn 1.2) tem 14 palavras e 52 1etras (4xl3). Descreve a apostasia ou rebelião que causou a ruína descrita naquele versículo.

Os nomes do povo de Deus são múltiplos de 8, e os nomes dos apóstatas e rebeldes são múltiplos de 13.

 

 

Jerico - O somatório das letras do nome de Jerico, cidade condenada à destruição, é 234 (13x2x9). O exército de Josué rodeou-a durante 6 dias, cada dia uma vez, e no sétimo dia rodeou-a 7 vezes: 6+7=13 vezes. O número 13 indicou a condenação de Jerico como o fator 9 lembra o seu julgamento (Josué cap. 6).

O nome de Satanás, no hebraico soma 364 (13x28); e no grego tem o valor de 2197 (13x13x13).

A casa de Salomão. Foram gastos 13 anos na construção da residência do rei Salomão (1 Rs 7.1). Depois disto sua vida foi de apostasia.

O plano de Hamã. No livro de Ester temos o plano dos inimigos do povo de Deus para exterminá-lo (Et 3.7-13). Consul­taram entre si e lançaram sortes de mês em mês. No dia 13 do lmês escreveram cartas, com a ordem para matar todos os judeus, no dia 13 do 12º mês. O nome de Hamã o agagita, chefe deste plano dá a soma de 117 (13x9). Os adversários de Jesus Cristo e de seu povo, em geral, têm nomes que são múltiplos de 13.

Simão, o mago (At 8.9-24) = 1170 (13x90)

Elimas (At 13.8) = 676 (13x52)

"Judas Iscariotes, o que traiu" (Jo 12.4) = 4511 (13x347)

A palavra "Ai" (Mt 23.13-29) = 481 (13x37)

O 13 lembra também a expiação dos pecados ou substituição do pecador por Jesus Cristo.

O Salvador, para cumprir o simbolismo da oferta pelo pecado (Lv6.24-30), "...foi contado com os transgressores..." (Is53.12b), "...ele o fez pecado por nós..." (2 Co 5.21b). Para nos livrar da maldição, Jesus Cristo se fez maldição por nós (Gl 3.13).

Assim o nº 13, que geralmente quer dizer maldade e pecado, também expressa a expiação pelo pecado. Indica o pecador re­belde, mas também tem relação com o substituto do pecador no castigo exigido pela justiça.

Vários nomes de Deus são múltiplos de 13

Jeová = 26 (13x2)

Adonai = 65 (13x5)

Ha-Elohim = 91(13x7)

Ungido (SI 2.2) = 364 (13x28)

Depois, no Novo Testamento, quando a expiação foi reali­zada, os títulos de Jesus Cristo são múltiplos de 8.

Cristos (Cristo) = 1480 (8x185)

Kürios (Senhor) = 800 (8x100)

Sôter (Salvador) = 1408 (8x176)

Emmanuel (Deus conosco) = 25600 (8x3200)

Messias (Messias) = 656 (8x82)

A lição principal de tudo isto é que Jesus se fez pecado e maldição por nós, mas por fim "...Deus o fez Senhor e Cristo" (At 2.36b).

 

Catorze - Este número pode ser entendido como o dobro de 7. Então tem o sentido de dupla medida da perfeição espiritual. Na genealogia de Jesus Cristo aparece o número 14 (Mt Cap. 1), porque a relação de nomes é dividida em três grupos de 14 gerações.

No dia 14 do mês era sacrificado o cordeiro da páscoa (Êx 12.6 e 18; Lv 23.5).

 

Quinze - Tendo como fatores os números 5 e 3, traz o sentido destes dois. 5 representa a graça de Deus, e 3 lembra Trindade. E o número da perfeição divina. 15 é atividade da graça divina.

O número 15 no hebraico foge à regra da combinação das letras. A letra iode vale dez.

O número 11 é iode-álefe, dez-um; 12 é iode-bete, dez-dois; 13 é iode-guímel, dez-três; 14 é iode-dálete, dez-quatro. 15, pela lógica, seria iode-he, dez-cinco, mas a união destas duas letras, que se pronuncia iá, é um nome abreviado de Deus. E para não profanarem ou não tomarem em vão o nome de Deus, os judeus dão outra forma com as letras tête-vav, Tetê vale 9 e vave 6. 15 no hebraico, em vez de ser dez-cinco, é nove-seis.

Algumas referências ao 15

A arca subiu 15 côvados acima dos montes (Gn 7.20). Ezequias foi curado por Deus e teve mais de 15 anos de vida (2 Rs 20.6). Os judeus, no tempo de Ester, comemoraram seu livramento da morte no dia 15 domes (Et 9.18).

Nas festas de Levítico 23 havia duas datas no dia 15: Os pães asmos no dia 15 do primeiro mês (V 6), tipo da santificação; a festa dos tabernáculos no dia 15 do sétimo mês (v 34), tipo da ação de graças.

 

Dezessete - É um número primo ou indivisível. É a soma dos números 12 e 5. Doze lembra o povo de Deus, e cinco, a graça de Deus. Então 17 é a graça de Deus aplicada ao seu povo.

Também é a soma de dois números perfeitos: 10 e 7. Dez é a perfeição da ordem das coisas, e sete é a perfeição espiritual. 17 é o tipo dá perfeição espiritual na ordem perfeita.

Uma ilustração deste caso está em Romanos 8.35,39, conclu­indo com a súmula das bênçãos que os salvos possuem em Cristo.

Primeiro vem uma pergunta com uma série de sete.

“Quem nos separará do amor de Cristo? Será:

-  1. Atribulação,

-  2. ou a angústia,

-  3. ou a perseguição,

-  4. ou a fome,

-  5. ou a nudez,

-  6. ou o perigo,

-  7. ou a espada?"

Depois vem a resposta com uma série de dez.

“Estou certo de que:

-  8. Nem a morte,

-  9. nem a vida,

-  10. nem os anjos,

-  11. nem os principados,

-  12. nem o presente,

-  13. nem o porvir,

-  14. nem as potestades, -15. nem a altura,

-  16. nem a profundidade,

-  17. nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor".

O número 17 é importante como fator do número 153, que será estudado mais adiante.

 

Trinta - "Os que ouvem a palavra... e dão fruto, um a trinta, outro a sessenta e outro a cem por um" (Mc 4.20).

Trinta representa a avaliação que os homens fazem das coisas espirituais. O que os homens pensam de seus deveres para com Deus.

Para indenizar o prejuízo causado por um boi escorneador, o dono pagava 30 siclos de prata (Êx 21.32).

Jacó, para reparar suas faltas, separou 30 camelos, como presente a seu irmão Esaú (Gn 32.15).

Sansão propôs aos jovens de sua idade, numa aposta, em ambiente de brincadeira, 30 vestidos e 30 lençóis (Jz 14.12).

Os fariseus avaliaram Jesus por 30 moedas de prata (Zc 11.12,13; Mt 26.15).

O crente, cujo fruto é na proporção de 30 por um, tem esta concepção de Jesus e dos deveres espirituais.

O número 30, em referência à idade, tem um sentido que nos lembra idéias interessantes de consagração.

Vários personagens das Escrituras assumiram cargos e foram investidos em atividades importantes aos 30 anos.

Os sacerdotes entravam para o ministério das coisas sagradas aos 30 anos de idade (Nm 4.3). Do mesmo modo os levitas (Nm 4.23 e30).

José se apresentou diante de Faraó e foi nomeado governa­dor do Egito com 30 anos de idade (Gn 41.46).

Davi era da idade de 30 anos quando começou a reinar (2 Sm 5.4).

Ezequiel teve visões de Deus "no 30º ano" (Ez 1.1). A expressão aqui fala da idade do profeta porque, sobre a data histórica de sua profecia, foi "no quinto ano do cativeiro do rei Joaquim" (v 2).

O Senhor Jesus também entrou para o seu ministério, quando era de "quase 30 anos" (Lc3.23).

30 é 3x10.0 número 3 é o número de Deus, das 3 pessoas da Trindade. 10 é a perfeição na ordem e na atividade.

30 é a consagração, a submissão a Deus, para realizar tudo pela orientação divina: "Não que sejamos capazes por nós mesmos... mas a nossa capacidade vem de Deus" (2 Co 3.5).

Sob a direção de Deus, o que fizermos será um serviço perfeito, aceito por Ele. "Pela graça de Deus sou o que sou... não eu, mas a graça de Deus em mim" (1 Co 15.10).

 

Quarenta - Provação, teste de prova. Período de jul­gamento. Desenvolvimento da história associado com salvação. Em relação ao Dilúvio, choveu 40 dias e 40 noites (Gn 7.4,12 e 17). O povo de Israel passou 40 anos no deserto, conforme o número de 40 dias em que os enviados espiaram a terra (Nm 14.34).

Quem era culpado de promover contenda recebia 40 açoites (Dt 25.3). Paulo recebeu cinco vezes este castigo de 40 açoites (2 Co 11.24). Os judeus eram muito escrupulosos em algumas coisas, por isso recomendavam que, caso os açoitadores tivessem dúvidas, parassem no 39a, para não irem além dos 40 que eram o limite máximo. Assim aconteceu no caso de Paulo. Pararam no 39s por causa da dúvida, mas Paulo estava contando, e sabia que era menos um.

Moisés passou 40 dias no monte falando com Deus, e em jejum (Êx 24.18). Também Elias e Jesus Cristo passaram 40 dias sem comer (1 Rs 19.8; Mt 4.2).

A vida de Moisés teve três períodos de 40 anos (At 7.23,30 e36).

Davi e Salomão reinaram 40 anos cada um.

Nínive teve um prazo de 40 dias para se arrepender com a pregação de Jonas (Jn 3.4).

Jesus, depois de ressuscitado, apresentou-se aos discípulos durante 40 dias (At 1.3).

Sessenta - A paz de Deus, não no indivíduo, mas na Igreja toda, na comunidade do povo de Deus.

Quando Moisés acabou de levantar o tabernáculo, cada príncipe das tribos apresentou uma oferta, que incluía holocausto, expiação e sacrifício pacífico. O total foi "60 carneiros, 60 bodes e, 60 cordeiros" (Nm 7.88).

O templo edificado sob a liderança de Esdras tinha 60 côvados de altura e 60 de largura (Ed 6.3). A coluna do templo da visão de Ezequiel tinha 60 côvados (Ez 40.14).

Na Igreja de Filadélfia, que quer dizer amor fraternal, Deus não achou falta e a promessa foi:”Ao que vencer, eu o farei coluna do templo de Deus..." (Ap 3.12).

O amor fraternal cria o ambiente de paz. O crente cujo fruto eqüivale a 60 é coluna do templo de Deus, e é pacificador, consegue produzir a paz entre os irmãos - "Bem-aventurados os pacificadores" (Mt5.9).

O carro de Salomão era guardado por 60 valentes, todos armados com espadas (Ct 3.7). Salomão quer dizer pacífico. A Igreja de Jesus Cristo é guardada pela paz de Deus (Fl 4.7). As 60 espadas representam “a espada do espírito, que é a palavra de Deus" (Ef 6.17).

Setenta - Administração de Deus no mundo. Tempo do juízo de Deus sobre a humanidade.

Para auxiliar no governo de Israel, foram escolhidos 70 anciãos (Nm 11.16).

Em Elim havia 70 palmeiras (Êx 15.27). A palmeira é símbolo do justo (Sl 92.12).

Israel passou 70 anos no cativeiro (Dn 9.2).

Sobre o povo de Deus estavam determinadas 70 semanas (Dn9.24).

Jesus enviou, além dos doze apóstolos, 70 discípulos (Lc 10.1).

Cem - Gratidão. Ato de fazer mais do que o exigido. Consiste em caminhar até a segunda milha. "Se alguém te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas'' (Mt 5.41). A primeira milha significa a obrigação, a segunda é fruto do amor.

Artaxerxes ordenou que fossem dados a Esdras: 100 talentos, 100 coros de trigo, 100 latas de vinho e 100 latas de azeite (Ed7.22).

Na consagração do templo foram oferecidos 100 novilhos (Ed 6.17). A Lei não exigia este número, foi fruto de gratidão.

Nicodemos levou, para sepultar Jesus "quase 100 arratéis de um composto de mirra e aloés" (Jo 19.39). A fama da história era para José de Arimatéia. Nicodemos não queria fama, agia por amor.

O crente cuja semente produz 100 é o que faz além do que se esperava.

As igrejas da Macedônia faziam "acima do seu poder... a si mesmos se deram" (2 Co 8.3 e 5).

Filemom fazia mais do que Paulo recomendava (Fm 21).

 

Cento e cinqüenta e três – “Puxou a rede para a terra cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes" (Jo 21.11). Este número apresenta algumas lições por meio de seus fatores. 153 é o produto de 17x9. 17 lembra o povo de Deus abençoado pela sua graça, 12 = povo de Deus e 5 = graça de Deus.

Também 153 é a soma de 122 + 32(12xl2 = 144, 3x3 = 9). 144+9 = 153.

1.  Jerônimo, autor da tradução da Bíblia latina, chamada Vulgata, faz referência a um zoólogo anterior a João, que afirmava haver no mar Mediterrâneo 153 espécies de peixes. Assim a Igreja, como a rede, atingia todas as raças e classes da humanidade, temos visto esta palavra de Jerônimo aplicada a Ezequiel 47.10, que fala de "peixe do mar grande segundo a sua espécie em multidão excessiva".

Outros comentadores acham que o pensamento de Jerônimo não pode ser provado, é imaginação.

2. Agostinho tem um pensamento no fato de que o somatório de 17 é igual a 153. Isto é, somando-se os números de 1 a 17 ou de 17 a 1, temos 153. A aplicação devocional é que o povo de Deus (12) revestido pela graça de Deus (5) pode trazer para a salvação, pessoas de todas as classes e nações representadas pelo número 153. 12+5 = 17 e o somatório de 17 = 153.

3. No funcionamento do Tabernáculo, havia uma relação de números que somavam 153. Era a lista dos objetos, partes e pessoas mencionadas naquele ritual: 2 pedras (Êx 28.9); 3 colunas do pátio (Ex 27.14,15); 4 colunas de véu (Êx 26.32); 5 colunas da porta da tenda (Êx 26.37); 7 peças de roupa do sacerdote: éfode, cinto, peitoral, manto, colar, túnica emitra (Êx 39.2-8,22-28); 10 cortinas de linhofino (Êx 26.1); 12 pedras no peito do sacerdote (Êx 28.21); 40 bases de prata (Êx 26.19,21); 70 anciãos que ajudavam a Moisés (Nm 11, 16 e 17): 2+3+4+5+7+10+12+40+70= 153.

4. A expressão hebraica Beni Ha-Elohim "filhos de Deus" (Gn 6.2,4; Jol.6 e 2.1). No valor destas letras se acha o número 153.

Bete = 2; Num = 50; Iôde = 10; He = 5; Álefe= 1; Lâmeque = 30; //e = 5; Iode = 10; Men = 40: 2+50+10+5+1+30+5+10+40 = 153.

5.  A palavra grega sunkleronomai - "Co-herdeiros" (Rm 8.17) tem o valor de 1071. É múltiplo de 153 (153x7 = 1071).

6. A expressão grega Ktísis Theon “criação de Deus" soma 1224, que também é múltiplo de 153. 153x8 = 1224.

7. A palavra grega icthues “peixes", também soma 1224, por isso é múltiplo de 153.153x8 = 1224.

 

Seiscentos e sessenta e seis - Geralmente quem vê este número na Bíblia, fica preocupado com a identificação do Anti-cristo, a quem ele pertence. Este é o número que não tem outro valor nem outra aplicação, sendo o simbolismo.

Não se refere a uma quantidade de coisas ou de pessoas, é unicamente o número de um homem. "Aquele que tem entendi­mento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis" (Ap 13.18).

Alguém diz que é a repetição de 6, em contraste com o 7 que é a perfeição. O homem quer ser como Deus, mas só atinge 6. Tenta outra vez, dá 6; e na terceira vez é só 6. Assim seria 6, 6 e 6. Isto é uma curiosidade, porém, não é o sentido.

No original, vem algumas vezes o número por extenso, e quando vem, em alguns manuscritos, em três letras, não são repetidas.

Uma letra vale 600, outra 60 e outra 6.

O número pertence ao Anticristo a quem Paulo chama de”o homem do pecado, o filho da perdição" e inimigo que ainda não foi revelado. Se”então é que será revelado", ninguém pode descobrir agora (2 Ts 2.3-9).

Para exercício de memória, poderemos examinar algumas palavras e frases cujo valor soma 666. Há muitas outras além destas.

1. Siquém, filho de Hemor (Gn 34.2). Foi homem corrupto e violento. Seu nome no hebraico é “Shiquem Ben Hemor'', a soma destas três palavras é exatamente 666.

2.  Sorat - Um nome de Vênus, que significa plasma e sensualidade. As letras hebraicas são: "Sâmeque", "vav", "resh", "tav".Asomaé666.

3.  Teitan. Uma palavra grega que significa Satanás. Soma 666.

4.  Nero César. No hebraico é "Neron Csar". O valor numérico é 666. Perseguidor dos cristãos, mandou executar Paulo e Pedro.

5. Diocleciano Augusto, Imperador romano, perseguidor dos cristãos. Foi quem ordenou a 10ª perseguição oficial. No latim este nome é Diocles Augustus (o u tinha a mesma forma de v e valia 5), aproveitando as letras que têm valor numérico, dá 666).

6. Guia do clero - Título do Papa. No latim é DVX CLERI, a soma das letras que têm valor numérico é 666.

7.  Vigário do Filho de Deus - Título do Papa. No latim: VICARIVS FILLI DEI, soma 666.

8. Vigário Geral de Deus na terra - Título do Papa. No latim: VICARIVS GENERALIS DEI IN TERRIS - soma 666.

9.  Os algarismos romanos I, V, X, L, C, D. Ninguém faz qualquer cálculo matemático usando estas letras, mas são conser­vadas e empregadas com estes valores, em todo o Mundo Ociden­tal. 1+5+10+50+100+500 = 666. Os que pensam que o Anticristo há de ser romano, fazendo aparecer outra vez o Império Romano, acham na preservação dos algarismos romanos uma prova para este argumento, neste caso, o M valendo 1.000, lembra a aproximação do Milênio, cujo começo acaba com o Anticristo.

10. A palavra "lateinos" quer dizer latino, no grego. O idioma latino é língua oficial da Igreja Católica Romana. "Lateinos" no grego dá 666.

11. Itálica Eclésia. Os partidários da Igreja Grega chamavam o ramo latino por este nome. Itálica Eclésia quer dizer Igreja Itálica ou Italiana. Dá 666.

12. Romiit- O adjetivo romano em hebraico. Seu valore 666. Conclusão: 666 é o número de um homem. O Anticristo que ainda não foi revelado. No capítulo sobre os símbolos de Apocalipse, vêm outros dados sobre a pessoa do Anticristo.

Há muitos outros nomes próprios e frases, cujas letras somam 666.

Também Salomão recebia anualmente, de seus tributários, 666 talentos de ouro (1 Rs 10.14).