Santa Ceia: Real significado

Santa Ceia: Real significado

 

 

A Santa Ceia como rito da Nova Aliança foi instituída por Jesus Cristo na noite em que Ele foi traído. Essa noite era o dia da páscoa judaica. “E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.” 

 

Além de ser um memorial, a Ceia é um momento de comunhão da igreja e fortalecimento espiritual de cada membro do corpo de Cristo. Um momento único e especial.

 


Os católicos acreditam que, os elementos da Ceia (pão e vinho) se transformam no próprio corpo e sangue de Cristo no momento da Ceia, quando consagrados pelo sacerdote (doutrina chamada de transubstanciação). Nós cristãos reformados, rejeitamos esse pensamento, pois não tem embasamento bíblico. Os elementos permanecem da mesma substância que são, pão e vinho. O fiel recebe fisicamente apenas o pão e vinho, mas espiritualmente e pela fé, recebe os benefícios da comunhão com Jesus Cristo.

 

A Santa Ceia não deve ser tomada de qualquer forma. A Bíblia nos orienta a examinarmos o nosso coração antes de participar. E é nesse exame que nos colocamos diante de Deus, reconhecendo o valor de Cristo e Sua obra, bem como, avaliando nossa vida, confessando nossos pecados e tomando decisões de mudanças. Assim ficamos prontos para participar. “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e, assim, coma do pão, e beba do cálice; pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si.” (ICo 11. 28-29)

 

Existe alguma confusão a respeito de quando a pessoa NÃO deve participar da Santa Ceia, principalmente por conta do texto de Paulo que diz das conseqüências de participar da Ceia indignamente. “Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor.” (ICo 11. 27).

 

Podemos observar que este preceito não é difícil de assimilar. Quero com isso mudar o foco das ideias preconcebidas a respeito dos alimentos em questão, e do sentido real da SANTA CEIA.

 

Alimentos: Pão e Vinho

Quanto ao uso do pão sem levedura (fermento) é comum a todas as igrejas chamadas PROTESTANTES. O que tem trazido muita confusão e aborrecimento entre as diferentes correntes de pensamentos é quanto ao conteúdo do cálice da ceia. Uns afirmam e praticam deliberadamente o uso do suco de Uva, outros já se asseguram de oferecer no ato sacramental da ceio o Vinho.

Vejamos o que nos ensina a Bíblia

São Mateus 26:26-29 "E, quando comiam Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos. e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. (27) E, tomando o cálice, e dando graças deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; (28) Porque isto pe meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. (29) E digo-vos que dese agora não beberei deste fruto da vide até àquele dia em que o beba de novo convosco no reino de meu Pai.

Observe agora como procedia a igreja primitiva

 I Aos coríntios 11:17-22 "Nisto, porem que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior. (18) Porque antes de tudo ouço que, quando vos ajuntais na igreja, há entre vós dissenssões; e em parte o creio. (19) E até importa que haja entre vós heresias, para que os que são sinceros se manifestem entre vós. (20) De sorte que, quando vos ajuntais num lugar, não é para comer a ceia do Senhor. (21) Porque, comendo, cada um toma a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se. (22Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus e envergonhais os que nada teem? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.

 

 Em II Pedro 2:13, é citado pelo apóstolo que há entre eles homens que se deleitam em seus enganos e, banqueteiam entre eles. Em S. Judas Vs. 12, o mesmo termo é citado: "banquetear-se".

 

Ora, sabemos que o suco da uva propriamente dito não embriaga. É preciso estar fermentado pelo processo de mostagem (do grego mustum: jovem). Teríamos de fazer uma tese sobre este conceito, mas, resumidamente quero que observem com lucidez e mente aberta a seguinte questão: A SANTA CEIA É SERVIDA COM VINHO e NÃO COM SUCO DE UVA! Doutro modo não haveria embriaguês no ato sacramental da Santa Ceia do Senhor.

 

Mateus 11
18 Assim, veio João, que jejua e não bebe vinho, e dizem: ‘Este tem demônio’. (19Então chega o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: ‘Eis aí um glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores!’ Todavia, a sabedoria é comprovada pelas obras que são seus frutos”. Ai dos povos incrédulos.

 

Em São João 2 está atestado a transformação da água em vinho. Digo isto, não para fazer apologia ao uso de bebida alcóolica em festas e sacramentos religiosos. Sobre o uso da Bebida forte e bebida embriagadora já nos posicionamos em outro artigo [1]. Quero apenas embasar o que declarei acima. 

 

Sentido Real

Quando nos referimos a santa ceia, qual a primeira coisa que lhes vem a cabeça?

"Morte e Ressurreição de Cristo"

Se você pensou em algo diferente ou é porque possuis uma mente expandida pelo conhecimento da doutrina, ou possuis um intelecto atrofiado pela falta do conhecimento que a inerrante Escritura Bíblica lhe proporciona.

Santa Ceia tem a ver com a "Páscoa" (O termo "Páscoa" deriva, através do latim Pascha e do grego bíblico Πάσχα Paskha, do hebraico פֶּסַח (Pesaḥ ou Pesach, a Páscoa judaica), comemorada aos 14 Abril de cada ano a fim de lembrar ao povo a saída do Egito. Está também ligada a "Morte e Ressurreição de Cristo".
 

Quando nos achegamos a mesa, temos por hábito da mente, focar a morte dolorosa e salvífica de Cristo no madeiro da cruz. Pergunto: Quantos de nós nos lembramos da saída dos Hebreus da terra do Egito? Sim, eis o propósito esquecido no rito da Santa Ceia. Além de celebrarmos a morte e ressurreição de Cristo, também deveríamos fazer relação com a fuga e livramento milagroso das terras de faraó. A páscoa sem Cristo, nada é! Ele morreu para quê? para nos dar o céu? Sim, mas também deu-nos a soltura, o livramento milagroso pelo sangue da expição, ou seja, Cristo nos libertou da escravidão do mundo (pecado) e nos fez ainda num corpo corruptível cidadãos de uma nova pátria. Resumindo, em minha sincera opinião, a Santa Ceia devia sim ter àquele momento nostágico, fúnebre, mas, no entanto, Cristo subiu para o céu e está vivo. Não seria apropriado encerrarmos o serviço sacramental com cânticos alegres? Afinal, por meio de Cristo temos que nos alegrar pela nossa saída do mundo do pecado: "Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia" (S. João 6:40)  

 

 

 SE PREFERIR PERGUNTE CLICANDO AQUI